19 Novembro 2017
Página inicial / Canais / Academia
Projeto Alentejo Circular promove a eficiência nas fileiras do azeite, vinho e suinicultura

A apresentação do projeto `ALENTEJO CIRCULAR´ decorreu hoje no Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo (PCTA)  na presença de Ana Costa Freitas, Reitora da UÉ, Ana Pina Teixeira, Administradora do ISQ, Rui Pingo, Administrador do PCTA, Filipe Palma, Programa Alentejo 2020 (CCDR Alentejo) e Inês Costa, adjunta do Ministério do Ambiente.

O projeto agora apresentado é resultante de uma parceria entre a Universidade de Évora (UÉ) e o ISQ que tem por objetivo sensibilizar e mobilizar os agentes económicos do Alentejo nas fileiras do azeite, vinho e suinicultura para a adoção do modelo da Economia Circular.

Ana Costa Freitas, Reitora da UÉ fez questão de salientar que “Os últimos anos têm sido cruciais para o desenvolvimento da região” dando como exemplo o sector dos vinhos, “cuja produção e reconhecimento internacional tem aumentado de forma nunca antes vista”, bem como o sector da suinicultura, “onde a produção de porco preto assumiu contornos de inigualável qualidade, aos quais não são alheias questões como a transferência de conhecimento, o desenvolvimento de tecnologia ou as condições propiciadas por Alqueva”.

A apresentação do projeto esteve a cargo de Cristina Ascenso do ISQ defendendo que o projeto deva promover a criação de valor nas explorações agrícolas e agroindustriais, e consequentemente na região, através da transferência de conhecimento sobre práticas e tecnologias para a utilização eficiente de recursos e a valorização de resíduos.

Este projeto vem assim potenciar o desenvolvimento dos três sectores já indicados, numa nova lógica de progressiva criação de valor, dentro de uma economia circular, contrariando a tradicional cadeia linear.

No Alentejo, esta temática tem sido aplicada de forma crescente no setor agroalimentar, dado o seu percetível potencial para a “circularidade”, tendo em conta não só o elevado volume de resíduos (orgânicos) gerados, mas também uma certa tradição no seu reaproveitamento. Contudo, apesar da valorização de resíduos ter sofrido uma evolução positiva ao longo dos anos, reconhece-se que existe um claro potencial de melhoria, no que se refere a práticas de utilização eficiente de recursos e valorização de resíduos.

Neste sentido, os promotores pretendem empreender uma primeira abordagem às oportunidades identificadas e respetivas barreiras, por forma a estabelecer as condições de base para a realização de futuros projetos de economia circular promovidos pelo tecido económico regional.

A transferência de conhecimento para o tecido empresarial de tecnologias e metodologias associadas à economia circular, facilitará a interação entre as empresas e o sistema científico e tecnológico nesta temática, permitindo a troca de experiências sobre utilizações alternativas de recursos e a exploração de sinergias, disseminando, de forma alargada, o projeto e as suas conclusões. Em suma, o objectivo é alertar a comunidade empresarial para as ineficiências do modelo económico linear e contribuir para suscitar o seu interesse pelo modelo económico circular.

Publicado em 14.12.2016