20 Novembro 2017
Página inicial / Canais / Academia
Transporte de poeiras do deserto do Sahara sobre a Península Ibérica

Nos últimos dias a Península Ibérica foi afetada por uma massa de ar oriunda do Norte de África que transporta uma grande quantidade de poeiras do deserto. Segundo Maria João Costa, investigadora do Instituto de Ciências da Terra da Universidade de Évora, estas plumas têm sido detetadas nos últimos dias no observatório de Ciências da Atmosfera do mesmo Instituto da UÉ, apresentando-se em camadas que atingem cerca de 4 km altitude.

O transporte de poeiras que foi inicialmente detetado em Évora durante a tarde do passado dia 20 de fevereiro, pode identificar-se na imagem de satélite pelos tons de rosa, sendo acompanhado desde 23 de Fevereiro pela presença de nuvens altas (tons de vermelho escuro a preto).

As observações obtidas por este grupo de investigadores, através de fotómetros solares do ICT instalados em Évora e no Cabo da Roca, fazem parte da rede internacional AERONET (https://aeronet.gsfc.nasa.gov/), coordenada pela NASA, mostram que os valores da espessura ótica dos aerossóis (relacionada com a atenuação da radiação solar pelas partículas atmosféricas) atingiram valores muito superiores ao valor médio para o mês de fevereiro, chegando a exceder este valor em mais de vinte vezes.

A tecnologia lidar (light detection and ranging) também utilizada neste observatório, integra, além de uma rede ibérica, a rede europeia EARLINET (European Aerosol Research LIDAR NET work (http://www.earlinet.org/). Este tipo de instrumento permite avaliar a constituição vertical da atmosfera em termos de partículas, e segundo os dados obtidos, verificaram a distribuição destes aerossóis na média atmosfera.

Embora presentes na atmosfera em quantidades muito acima do habitual, as concentrações mais elevadas destas partículas encontraram-se por estes dias a altitudes acima da camada limite. Houve no entanto algum impacto na qualidade do ar na região, especialmente a partir da tarde de 22 de fevereiro, chegando mesmo a verificar-se no dia seguinte, valores muito superiores ao valor médio para a época, da ordem de 20mg/m3. Hoje, 24 de Fevereiro, a concentração mássica desceu drasticamente durante a noite, voltando a apresentar valores típicos para a época.

 

 

Publicado em 24.02.2017