21 Setembro 2017
Página inicial / Canais / Academia
Escola de Artes da UÉ comemora oitavo aniversário

A Escola de Artes da Universidade de Évora comemora hoje, dia 10 de maio, o seu oitavo aniversário. Para celebrar a efeméride, oferece uma programação diversificada de atividades artístico-culturais abertas à comunidade, que vão desde a música ao teatro, às artes visuais e design, bem como à arquitetura.

A abrir a sessão, Ana Telles, apresentou uma retrospetiva da EArtes, desde o seu “embrião”, recordando aqui o “papel determinante” que o então Reitor da UÉ, Jorge Araújo, desempenhou na criação da Escola de Artes, “por ter acreditado e defendido aquilo que nos move a todos no seio desta Escola”, até ao momento presente, onde, com a participação e o empenho de todos, verificou-se uma “evolução no ensino” e o alcançar, com sucesso, os “objetivos a que nos propusemos”. Referindo-se ao programa das comemorações, a Diretora da EArtes, considera que este é um “tubo de ensaio, uma maquete promocional”, demonstrativa da produção diária da Escola. Com os olhos postos no futuro, deixou, ainda, a intenção que esta possa atingir a sua “maturidade”, a nível nacional e internacional.

Para Ana costa Freitas, a EArtes, apresenta “grande dinamismo” e “crescente vitalidade”, lembrando que esta, “vive das pontes que estabelece com o exterior, com os profissionais da criação artística e cultural”, estabelecendo cada vez mais “laços com a região” e que detém uma “grande capacidade de potenciar a imagem da Universidade de Évora, na região, no país e fora dele”. Não esquecendo, ainda, de enaltecer o trabalho que aqui se desenvolve, contribuindo “para o encontro e para a discussão de ideias”, oferecendo a todos, neste momento tão especial, um “programa cultural e artístico de qualidade”.

Em representação da Câmara Municipal de Évora, Eduardo Luciano, fez questão de recordar os oito anos de “intervenção ativa e essencial” que a EArtes assumiu no território alentejano, fundamental para desmistificar algumas ideias, e ultrapassar o “conservadorismo” e “cinzentismo” de algumas franjas da sociedade, esperando que esse dinamismo possa ser decisivo para uma renovação da imagem de Évora, de “cidade museu” a “cidade da cultura” enfatiza. Por último, referiu-se naturalmente à candidatura de Évora a Capital Europeia da Cultura em 2027, cujo processo está a ser desenvolvido com a colaboração da Universidade de Évora, entre outras entidades regionais.

Publicado em 10.05.2017