Home / Canais / Academia
Média mais elevada na UÉ é de Lisa Bunge

Lisa Bunge, estudante de licenciatura em Engenharia de Energias Renováveis da Universidade de Évora (UÉ) ingressou este ano letivo na UÉ com média de 19,2 valores e o sonho de ver o mundo apostar nas energias renováveis e respeitar o meio-ambiente.

Évora e a Universidade de Évora revelaram-se, para a estudante que ingressou na UÉ com média mais elevada, a escolha certa. Numa cidade com pouco mais de 55000 habitantes, situada numa região privilegiada em termos de clima, com cerca de 2700 horas de sol anuais, Lisa Bunge sente-se “mais próxima da natureza, com mais tempo para estudar e criar”. A escolha surgiu “de forma natural” para esta estudante de 19 anos de idade que prefere ambientes calmos e tranquilos.

A licenciatura em Engenharia das Energias Renováveis, tutelada pelo Departamento de Física da Escola de Ciências e Tecnologia da UÉ, escolhida pela Lisa como primeira opção, arrancou em 2009, sendo a primeira na área em Portugal. Questionada sobre as razões da sua decisão, a estudante não hesita em afirmar que “a formação de base em Engenharia Mecânica foi um dos pontos a favor”, e claro, “a formação específica em Energias Renováveis (solar, eólica, biomassa, biocombustíveis e energia das ondas)”.

Isabel Malico, Diretora do curso de Licenciatura em Engenharia de Energias Ronováveis e professora do Departamento de Física da Escola de Ciência e Tecnologia da UÉ, sublinha que, este curso de engenharia é "integrado e articulado com a restante formação de Engenharia da Universidade, fornecendo uma sólida formação em Engenharia aliada a conhecimentos específicos actualizados no domínio das energias renováveis", e recorda que, "é ainda hoje uma licenciatura única no país (ao nível do Ensino Universitário), integrando formação base em engenharia e especifica em Energias Renováveis".

 

Aliada a esta formação inicial, a UÉ oferece oportunidades aos níveis de Mestrado e Doutoramento na área das Energias Renováveis, bem como investigação de ponta no Instituto de Ciências da Terra (ICT), na área das Ciências da Terra, do Clima e Ambiente e do Espaço, e na Cátedra Energias Renováveis, que desenvolve novas tecnologias de captação e transformação de radiação solar em calor.

Recentemente, Diogo Canavarro, investigador da Cátedra Energias Renováveis, foi distinguido com o Prémio Científico Mário Quartin Graça, pela sua dissertação de Doutoramento intitulada “Advances in the design of solar concentrators for thermal applications”. O investigador explica que “a apresentação de configurações inovadoras para concentradores térmicos foi sem dúvida o maior ponto de inovação” no seu trabalho.

Criada em 2010 e liderada por Manuel Collares Pereira, especialista em Energias Renováveis, Engenheiro Eletrotécnico, doutorado em Física pela Universidade de Chicago, a Cátedra tem uma forte componente de cooperação quer nacional, quer internacional. Integra a Infraestrutura Nacional de Investigação em Energia Solar de Concentração (INIESC), em parceria com Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) e desenvolve vários projetos colaborativos transnacionais, com Unidades de I&D e empresas de vários países, destacando-se a Alemanha.

Foi também na Alemanha que Lisa Bunge nasceu, tendo os seus pais rumado a Portugal, estabelecendo-se em Odemira, uma vila pertencente à sub-região do Alentejo-Litoral. É essencial “mudar mentalidades, viver de forma sustentável, respeitar e valorizar o meio-ambiente e apostar nos vários tipos de energias renováveis”, só assim será possível, na opinião da estudante, a sociedade avançar para um modelo mais justo e equitativo.

Lisa Bunge foi distinguida com o Prémio de Mérito Santander Universidades, por ter ingressado nesta Universidade através do Concurso Nacional de Acesso com a nota de candidatura mais elevada. A entrega pública realiza-se amanhã, dia 1 de novembro 2018, no âmbito das celebrações do Dia da Universidade de Évora, momento escolhido para distinguir o mérito no desempenho académico e científico da academia. Para além deste, serão entregues, entre outros, o Prémio Santander de Internacionalização da Produção Científica da UÉ, as Bolsas de Mérito do Programa Alumni Eugénio de Almeida e o Prémio de Mérito da Sociedade Portuguesa de Química.

Publicado em 31.10.2018