19 Novembro 2017
Página inicial / Canais / Academia
Prémio Vergílio Ferreira a Maria Alzira Seixo

Maria Alzira Seixo foi a vencedora do Prémio Vergílio Ferreira 2011. A professora, ensaísta, crítica literária e especialista em Literatura Francesa, Comparada e Portuguesa, mostrou-se grata pela distinção “valiosa” concedida pela Universidade de Évora, uma casa que também considera sua, e pelo reconhecimento feito a todos os professores de Literatura.

 Natural do Barreiro, a professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, ao lado da amiga de longa data a primeira-dama Maria Cavaco Silva, que surpreendeu a homenageada ao estar presente na cerimónia, relembrou a ligação que desde há muitos anos tem com a academia eborense, quer pelo facto de ter sido a responsável pela laudatio a José Saramago, aquando da atribuição do doutoramento honoris causa pela UE, quer pela coordenação pedagógica e científica da Literatura Francesa nesta universidade.

E sentindo-se parte da Universidade de Évora, “que durante algum tempo também foi minha”, Maria Alzira Seixo mostrou a sua gratidão ao júri, destacando o quão importante é ser distinguido por quem se “respeita e admira”.  A professora realçou o facto de a Universidade de Évora premiar a literatura e os estudos sobre literatura, com uma distinção que já conta com uma longa tradição de nomes que Maria Alzira Seixo se sente honrada em prolongar, já que considera que um Prémio faz-se, “não apenas pelo júri, mas pelos galardoados, que lhe dão sedimentação.”  

Amiga de Vergílio Ferreira, com quem falava ao telefone todas as semanas e partilhava afinidades, mas não no campo político, Maria Alzira Seixo promete contar nas suas memórias, as estórias que viveu com o escritor, autor da “Aparição”, e acredita que, onde quer que esteja, se deve sentir feliz por vê-la distinguida com o Prémio que tem o seu nome. 

Maria Alzira Seixo tem uma vasta bibliografia publicada da qual se destaca o livro, editado em 1968, "Para o Estudo da Expressão do Tempo no Romance Português Contemporâneo", tendo-se seguido "Discursos do Texto" de 1977, "O Essencial sobre José Saramago" de 1987, "Lugares da ficção em José Saramago. O essencial e outros ensaios" de 1999 e "Os romances de António Lobo Antunes; análise, interpretação, resumos e guiões de leitura" de 2002, entre outros. É especialista do romance português contemporâneo e, em especial, da ficção de António Lobo Antunes, tendo publicado em 2010 "As flores do Inferno e Jardins Suspensos", um estudo aprofundado sobre os romances de António Lobo Antunes.  

A alta qualidade da obra artística e crítica e o papel na difusão e na projecção internacional da cultura portuguesa foram determinantes para a escolha do nome de Maria Alzira Seixo para receber o prémio literário que a academia atribui a ensaístas e/ou romancistas de língua portuguesa, no aniversário da morte do escritor.

Sofia Ascenso | UELINE

Publicado em 03.03.2011