Home / Canais / Academia
Lançamento de "A Europa Federal e a Quarta República Portuguesa" na UE

“A Europa Federal e a Quarta República Portuguesa” é o nome do último livro da autoria do Prof. António Covas, dedicado ao futuro das relações entre Portugal e a União Europeia, lançado na UE. O livro foi apresentado pelo Prof. José Manuel Caetano, vice-reitor da Universidade de Évora e docente do departamento de Economia.

Numa iniciativa da Fundação Luis de Molina, que tem como objectivo tornar público o trabalho de docentes e pessoas ligadas à academia, o lançamento deste livro, cujo tema está na ordem do dia, acontece no ano em que se comemoram 25 anos da integração europeia.

Resumo:

Portugal precisa urgentemente de um projecto europeu mobilizador de inspiração federal mas, também, de encerrar definitivamente o ciclo da 3ª República e abrir o ciclo da 4ª República. O acordo de assistência assinado com a Troika e a crise das dívidas soberanas e do euro serão os factores instigadores dessa mudança fundamental. É certo, a Europa Federal e a 4ª República não se resumem nem se esgotam num Acto Federal para a Europa e num Acto de Revisão Constitucional para Portugal, mas as opções políticas e institucionais fundamentais neles contidas deveriam estar disponíveis, de forma muito clara, aos cidadãos europeus e nacionais que, como se sabe, não têm acesso fácil aos acordos jurídicos labirínticos dos respectivos textos de revisão. Estou convencido de que estes dois Actos deveriam estar prontos no início do próximo período de programação de 2014-2020, de tal modo que a Nova Política Federal da União pudesse enquadrar, desde logo, a estratégia europeia 2020 e, do mesmo passo, a estratégia de desenvolvimento de Portugal nesse mesmo período de programação. Este meu convencimento está fundado não apenas em razões estritamente europeias, que só por si já seriam suficientes, mas, também, em razões e dificuldades internacionais relevantes relacionadas com a gestão geopolítica e geoeconómica do triângulo estratégico Estados Unidos, China e União Europeia que poderão irromper abruptamente a todo o momento.

Publicado em 11.10.2011