Home / Canais / Academia
"My Europe", a proposta de Jaime Quesado

O livro “My Europe”, da autoria de Francisco Jaime Quesado, foi apresentado ontem, dia 6 de fevereiro, no Colégio do Espírito Santo da Universidade de Évora (UÉ) por Soumodip Sarkar, Vice-Reitor para a Inovação, Cooperação e Empreendedorismo da UÉ e por Paula Martins da Cunha, Administradora da Sociedade Portuguesa de Autores, com moderação de André Espenica da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central.

O livro, que celebra 10 anos da colaboração do autor no Jornal de Bruxelas «New Europe», reúne um conjunto de textos publicados na sua crónica semanal intitulada “Nova Competitividade”, onde encontramos “a concepção que o autor tem do projecto europeu, e onde vai desfiando as suas ideias sobre o que deverá ser realmente importante para garantir o futuro de um projecto único, que é o de uma Europa unida na sua pluralidade e onde o Conhecimento é um dos seus maiores activos” sublinhou Soumodip Sarkar, considerando ainda que, o título, “My Europe – From Integration to intelligence”, pode constituir a “base para um manifesto, ou não fosse esta Europa contruída nas últimas décadas resultado de uma imensa pluralidade de visões e entendimentos sobre o que é este espaço comum e que caminhos tomar no futuro” conclui.

Para a Administradora da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), Paula Martins da Cunha, a “Europa de Jaime Quesado é a que todos sonhamos: atrativa, segura, inclusiva, justa, inovadora (…)” considerando que este livro “obriga-nos a pensar e a refletir sobre o futuro do velho continente”. A Administradora da SPA salienta que, “em 2060 os europeus representam apenas 5% da população mundial, mas que, já hoje, estima-se que um quarto dos europeus viva em risco de pobreza ou exclusão”.    

O “desencanto” dos europeus nas suas instituições foi igualmente assinalado por Jaime Quesado, uma vez que, na sua opinião, “não se conseguiu aquilo que era o projeto inicial europeu, ou seja, transformar a Europa num espaço único que permitisse que os países beneficiassem de uma plataforma comum em termos de competitividade internacional”, mostrando-se ainda preocupado com a crescente radicalização dos discursos e do ressurgimento dos nacionalismos na europa.

Parece portanto ser necessário implementar políticas para a melhoria da qualidade que permitam dar à Europa um novo fôlego, assentes na “Integração, Inclusão, Informação, Inovação, Inteligência”, em suma, os cinco «i`s» que Jaime Quesado agora propõe na sua mais recente obra sobre a Eurora.

Publicado em 07.02.2019