Home / Canais / Academia
Resgate da memória do Laboratório de Fonética Experimental de Coimbra, Parte II

Continuamos a seguir de perto o projeto de Quintino Lopes, o investigador do Instituto de História Contemporânea e do Grupo Ciência da Universidade de Évora (UÉ) que se tem dedicado a resgatar o trabalho de Armando de Lacerda, uma figura central na Fonética mundial pela criação de instrumentos científicos inovadores, como o “Policromógrafo”.

Tal como assinalado na notícia publicada que dava a conhecer a primeira parte deste projeto, pretendemos seguir os avanços desta investigação de pós-doutoramento “The scientific 'centrality' of a 'peripheral' laboratory: the University of Coimbra Experimental Phonetics Laboratory (1936-72)”.

Após o reconhecimento da relevância internacional associada a este projeto de Quintino Lopes, que inclusive motivou o seu financiamento privado pela empresa Ferraz de Lacerda, Lda, e que permitiu ampliar as redes internacionais que a investigação comporta, neste momento, procura-se propor a disseminação nas escolas europeias da memória do Laboratório de Fonética Experimental de Coimbra e do seu diretor, Armando de Lacerda, através do projeto EUROCLIO (European Association of History Educators), beneficiando da integração no mesmo de Elisabete Pereira, Investigadora IHC-CEHFCI- Polo da UÉ. Para este feito, está em curso a proposta do tema “Armando de Lacerda e o Laboratório de Fonética Experimental da Universidade de Coimbra” como conteúdo e recurso pedagógico a ser divulgado nesta rede europeia.

Esta proposta foi por si apresentada em Haia, aquando de uma reunião científica do projeto Sharing European Histories (EUROCLIO e Evens Foundation), e mais recentemente, em fevereiro de 2020, em Antuérpia, numa nova reunião deste projeto. Aprovada a proposta pelos referees, direção da EUROCLIO e Evens Foundation, prevê-se a disponibilização da sua versão final em abril deste ano. A importância histórica e científica do Laboratório de Fonética Experimental da Universidade de Coimbra e de Armando de Lacerda será a partir desta data uma estratégia pedagógica a ser aplicada em escolas da Europa, procurando a investigadora Elisabete Pereira mostrar a importância da ciência, nomeadamente pela biografia de objetos e de instrumentos científicos (criados por Armando de Lacerda), na circulação internacional e união de povos europeus - tema pelo qual foi distinguida para integrar o projeto Sharing European Histories (EUROCLIO; Evens Foundation).

Já no ano letivo de 2018/2019, Quintino Lopes organizou um ciclo de conferências em escolas de ensino básico e secundário, destacando a importância de Armando de Lacerda e do Laboratório de Fonética Experimental de Coimbra. Em diversas ocasiões, após divulgar o projeto em curso de musealização dos instrumentos históricos de Fonética que se encontram preservados no Laboratório de Fonética da Universidade de Lisboa - destacando os instrumentos e fotografias provenientes de Coimbra -, foi solicitado a Quintino Lopes a realização de visitas guiadas a este núcleo museológico, aquando da conclusão dos trabalhos.

Neste sentido, no próximo dia 21 de fevereiro de 2020, realizar-se-ão na Faculdade de Letras do Porto, as Jornadas “Armando de Lacerda e a Fonética Experimental em Portugal: centralidade científica na periferia”. Esta será a primeira atividade realizada ao abrigo do Protocolo de colaboração assinado entre a UÉ, a empresa Ferraz de Lacerda, Lda., a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e a Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com o objetivo de recuperar a memória do Laboratório de Fonética Experimental de Coimbra, fundado e dirigido por Armando de Lacerda. Nestas Jornadas abordar-se-á a projeção internacional do Laboratório, fortemente motivada pelos instrumentos cromográficos da autoria do seu diretor, assim como a proposta, em curso, de introduzir nas escolas europeias a atividade científica de Armando de Lacerda como recurso pedagógico, ao abrigo do Projecto “Sharing European Histories” (EUROCLIO e Evens Foundation).

As potencialidades deste projeto têm sido reconhecidas pelos pares em Portugal e no estrangeiro. Se acrescentarmos as possibilidades de disseminação nacional e internacional deste projeto (ambas em curso, quer por intermédio das já referidas reportagens de jornais portugueses de renome, quer pelo projeto “Sharing European Histories” - EUROCLIO, Evens Foundation) sobressai a importância de um património cultural e científico único, cuja preservação e valorização contribuirá para o reconhecimento de Portugal - e particularmente da Universidade de Coimbra - como um ator vital na História da Ciência mundial do século XX.

 

Para consulta complementar:

-Notícia relativa à primeira parte do projeto: https://www.uevora.pt/ue-media/noticias?item=28931

-Notícia relativa ao projeto EUROCLIO: https://www.uevora.pt/ue-media/noticias?item=28523

Foto 1 (Do Arquivo Familiar Göran Hammarström) - Armando de Lacerda, ao centro, Manolo Companys (Universidade de Toulouse, à direita, e Göran Hammarström (Universidade de Uppsala), à esquerda, a trabalharem no Laboratório de Fonética Experimental de Coimbra em 1950. Nesta época, e fundamentalmente pela existência dos cromógrafos, este laboratório português era considerado por diversos membros da comunidade internacional de foneticistas como o mais avançado laboratório de Fonética Experimental da Europa.

Foto 2 (Do Arquivo Familiar Paulo Lacerda) - "Labiógrafo-Inscritor-Oral de Lacerda" (Universidade de Bona, 1932). Com este instrumento Armando de Lacerda e Paul Menzerath (diretor do Instituto de Fonética de Bona) produzem o trabalho Koartikulation, Steuerung und Lautabgrenzung (Berlim; Bona, 1933). Este livro, que os torna pioneiros nos estudos de coarticulação e segmentação dos sons da fala, foi considerado na época, por E. Scripture (presidente da Sociedade Internacional de Fonética Experimental), como um "trabalho genial".

Publicado em 07.02.2020